Uma moderna gruta de Ali-bá -bá

O programa anunciava "visita a uma oficina de joalharia".
Descidos do autocarro fomos conduzidos a um edifício moderno, entrados no grande e iluminado "hall" damos conta que uma portuguesa nos recebe. Com apurada técnica de marketing tenta induzir- nos a comprar ensinando mesmo a técnica de regatear! Mas surpresa das surpresas a certa altura, falando das cores das diversas pedras preciosas: "rubis vermelhos, esmeraldas verdes... e a safira que, sendo azul, muda de tom com o humor de quem a usa"! Oh céus o que a gente ouve! Umas que damos por elas, outras porque desconhecemos o assunto as tomamos por verdades! Mas esta foi o máximo!

Pensava eu que então iríamos espreitar a oficina que iríamos ver ali os fios de ouro, as pérolas e pedras preciosas a serem encastradas nos seus devidos lugares, mas nada. Vimo- nos sim encaminhados para salas e salas de montras onde se enfileiravam jóias e mais jóias, todas sempre sem preço e apenas com um minúsculo código de barras!
Por detrás das vitrinas enfileiravam-se eles e elas dispostos a entrar no jogo do regateio.
Nós limitamo-nos a observar primeiro meia dúzia de vitrinas, depois apenas deambulando com a curiosidade de saber quem iria dizer o "abre- te Sésamo" e da carteira lhe saísse o cartão de crédito!

Não vi ninguém, mas já no autocarro ouvi que a "star", (como nós dois designamos uma das participantes) tinha comprado uns brincos em ouro.
Hei-de contar porque a alcunhamos de "star".
publicado por naterradosplatanos às 16:04 | link do post | comentar