Dona Firmina...

Foi assim que chamaram por ela e por isso fiquei a saber o seu nome. O seu ar era másculo, as pernas eram terrivelmente arqueadas e não fossem os brincos de filigrana que lhe pendiam das orelhas, podia ter passado por alguém do sexo masculino!

O ar era rural e só mesmo um trabalho duro lhe teria dado semelhante compleição. Anos indefinidos... muitas vezes as histórias de vida confundem o que está no BI e a ver pela idade do marido que a acompanhava tanto podia estar nos 60 e tal como nos 70 e...

 

Dei por ela quando esperava a minha vez, para um destes exames de rotina, a que voluntariamente me sujeito todos os princípios de ano, porque quem a atendia lhe levantou-a a voz 

Prestei atenção, o problema era consequência do desconhecimento da D. Firmina que provavelmente nunca tinha estado naquelas circunstâncias. Trazia um frasquinho que tirou de um saco plástico e que entregou à recepcionista, por isso deduzi que ia para fazer análises o que realmente era verdade.

 

-Ó D. Firmina como é que a senhora quer que as análises estejam prontas para o dia da consulta que já é 4ª feira? Isto demora tempo, não lhe posso prometer nada- diz a recepcionista que falou alto e em termos de reprimenda.

 

Não ouvi o que a D. Firmina alegou em sua defesa pois falou em tom baixo.

 

Discretamente foi sentar-se à espera que a chamassem...

 

image.jpeg

image.jpeg

publicado por naterradosplatanos às 17:04 | link do post | comentar