Favas, absolutamente biológicas: pequenas, tortas e manchadas

Como já disse, já não faço horta. Pelo menos por dois motivos, primeiro porque a horta me aprisionaria mais do que o jardim, segundo porque já não tenho quem consuma o que eventualmente produzisse... a partir de certa altura há que colher todos os dias (ou quase) e como disse não quero prisões. E depois também quem os consumiria?

Assim sendo, só semeio favas para secar e no Natal fazer um prato típico dos Açores que é nossa tradição. Eventualmente fazemos uma ou duas refeições com elas ainda verdes.

As favas semeiam-se em Novembro, crescem durante o inverno e colhem-se lá para Abril, portanto não precisam de ser regadas e também não precisam de qualquer adubo, quanto  aos pulgões que sempre têm, apareceram e desapareceram por si.

Conclusão, as favas aqui do Areeiro são verdadeiramente biológicas e o seu aspeto não contraria a minha afirmação: pequenas, tortas e manchadas. Tive que fazer uma escolha  apurada para que se conservem, sem bicho, até Dezembro!

Pela minha experiência os produtos biológicos têm que ter um  aspecto feio e é esse aspecto feio que a meu ver os certifica.

Aqui há uns tempos houve uma campanha, no âmbito da agricultura biológica, intitulada "prefira os frutos feios" o que vem dar razão ao que disse anteriormente.

Ei-las:

image.jpeg

image.jpeg

p> 

 

 

 

publicado por naterradosplatanos às 16:12 | link do post | comentar