Fonte inesgotável...

Uma viagem de metro é mesmo uma fonte inesgotável de assuntos capazes de serem passados ao papel e claro a papel "virtual"como é o caso
Entrou umas duas paragens depois de mim e sentou-se ao meu lado. Devia andar aí pelos 80, vestida de forma confortável se bem que não elegante. Pousou no regaço uma mala que não condizia com nada, a mala tinha um fecho de correr dourado e ela (a mala) era aí para o ocre...
A certa altura, corre o fecho o que me deixa adivinhar tudo o que lá traria: uma garrafa pequena de água, uma caixa de medicamentos, alguns papeis... olha para o seu interior, tira de lá uma caixinha que abre e de lá um comprimido que mete na boca, e engole com a ajuda de um golo de água; a mão entra de novo na carteira e sai agora com outra latinha, pequena e redonda. Abre-a e com parcimónia, põe nela o dedo e com ele arrasta um pouco de creme branco que espalha na mão esquerda. Repete os movimentos para a mão direita, a caixinha regressa ao seu lugar e as mãos esfregam-se uma na outra.
O metro corre de estação em estação e continua a dar tempo à senhora que de novo mete a mão bem fundo na carteira. De lá sai agora com um "baton" e com ele percorre firmemente os lábios que demonstram a idade que a senhora já tem!

"Saldanha, há correspondência com a Linha Amarela", diz bem alto a voz de sempre. O meu destino era mesmo esse... a senhora lá continuou sentada e provavelmente decidida a continuar a sua maquilhagem.
Eu estava com pressa, senão teria continuado mais uma ou duas estações seguindo esta senhora que pelos visto, e apesar da idade não teve tempo de se maquilhar em casa!
naterradosplatanos às 15:40 | link do post | comentar | favorito