Terça-feira, 15.01.13

O fascínio de uma poça de água...

 

Quando o “…por aí” é lisboeta e se coincide com um domingo, é certo que vamos ao Parque com os nossos pequeninos. No inverno e sobretudo se está de chuva o Jardim da Gulbenkian não é apetecível mas agora descobrimos um outro, ótimo, lá para os lados da Avenida de Roma.

 

Tinha chovido durante a noite e obviamente os baloiços, o escorrega e os cavalinhos que “não andam mas fazem que andam”  deveriam estar molhados, mas avó experiente sabe que nestas alturas se deve levar algo que limpe e absorva a água, assim lá vamos nós com uma toalha turca velha para o fim em vista.

 

Até chegarmos ao parque propriamente dito nenhum deles deu pelas poças de água tal era a pressa de cavalgar, escorregar, baloiçar… e assim por ali estivemos mais de uma hora, eles brincando e eu apreciando…

 

Bom, o sentido contrário é que nunca é tão rápido pois tudo serve (penso eu inconscientemente) para atrasar a ida para casa, um pauzinho caído aqui, uma folha acolá, o cão que pula ao lado e ao qual querem fazer festas, ainda que a medo… tudo provoca inércia no regresso a casa e então desta vez, oh maravilha das maravilhas, as poças de água estavam por todo o lado!!

 

E como evitar o fascínio delas? Impossível, se bem que também não me esforcei para que isso não acontecesse e resolvi fazer vista grossa… Recuando muitas dezenas de anos lembrando-me sim, de quando nós eramos pequenos, da felicidade que nos dava pormos o pé transversalmente entre o passeio e a rua para vermos a água passar por cima! Estão a ver como era?

 

E porque é que não havia de dar essa mesma felicidade aos meus netos?

 

Fazendo que não dava por nada tirei as fotografias deliciosas que se seguem.

 

 

publicado por naterradosplatanos às 17:11 | link do post | comentar | ver comentários (12)
Sexta-feira, 20.05.11

O nosso relógio de cuco

 

 

 

 

Hoje estava mesmo sem assunto mas de repente senti as horas no meu relógio de cuco... O pobre também deve ter sofrido com a minha ausência pois está a fazer os “cu-cus” todos trocados! Assim encontrei assunto.

 

Quando eu e a minha irmã éramos miúdas tínhamos um verdadeiro fascínio por um relógio de cuco que havia na ourivesaria da D. Amélia e ela, era tão querida, que quando vindas da escola o lá íamos espreitar, o punha a cucar para nós. Os anos passaram… e muitos!

 

Em 1993   estávamos de férias em Insbruck, à porta das lojas das ruas turisticas havia centenas deles, os filhos ainda pequenos estavam connosco e lembro-me que foi um momento mágico quando fomos escolher um para nós. Claro o nosso é muito simples se o compararmos com aqueles cheios de elementos pitorescos próprios daquelas terras, mas fez a alegria dos meus filhos…e a minha também.

Nos primeiros tempos aqui em casa, o relógio fez os encantos do meu André que, puxando uma cadeira para a frente dele esperava pacientemente que ele fizesse cu-cu, cu-cu!

 

Desde essa altura lá está ele na mesma parede, ultimamente nem sempre a funcionar porque a corda se acaba e eu nem sempre me lembro de puxar as pinhas para cima…mas mesmo assim ele fica lá muito bem e sempre tem algum descanso enquanto os meus  netos não chegam!

 

 

 

publicado por naterradosplatanos às 22:08 | link do post | comentar | ver comentários (12)

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

Outubro 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

últ. comentários

Posts mais comentados

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO