Segunda-feira, 20.01.20

Diários do nada (63): para norte e para sul

Para norte estava assim:

80D10989-A6DF-4C98-8524-817488D6FDEC.jpeg

Para sul desta maneira:

E4295D01-9643-446A-B41A-870CA45A9C3F.jpeg

 

publicado por naterradosplatanos às 12:24 | link do post | comentar | ver comentários (3)
Quarta-feira, 15.01.20

“Corteo”: O circo dentro de uma história

 

O Cirque du Soleil é um circo temático e portanto tudo o que se passa dentro da arena tem o fio condutor de uma história.

 

"Corteo", que significa Cortejo em italiano, dá início ao espetáculo. É um cortejo que junta todas as figuras próprias do circo: malabaristas, palhaços, equilibristas, acrobatas,palhaços... que atravessam o palco com imensa alegria!

 

Eis a história dentro da qual está o Cirque du Soleil que fomos ver como presente de Natal dos nossos filhos:

 

 

O palhaço imagina o seu próprio funeral, numa atmosfera de festa e observado por anjos bons. Contrastando o grande e o pequeno, o ridículo e o trágico, a magia da perfeição e o charme da imperfeição, o espectáculo evidencia a força e a fragilidade do palhaço, mas também a sua sabedoria e ternura, para ilustrar o aspecto humano de cada um de nós. A música, às vezes lírica, às vezes divertida, transforma Corteo numa festa intemporal onde a ilusão brinca com a realidade. (Imprensa)

 

Assim, enquanto o palhaço vai “subindo aos céus” com a ajudas de anjos etéreos, que parecem voar no vazio da cúpula, cá em baixo vão-se sucedendo os números próprios de qualquer circo...mas sempre num ambiente de magia!

 

As fotografias que fiz são medíocres e apenas servem para eu relembrar, muito mais tarde, que fui...

D95887D3-1655-4C12-8156-8943AF31239E.jpeg

369BC06E-CBEF-4176-9768-00A3196B7409.jpeg

Muito melhor aqui:


https://youtu.be/ajB8hcmjvFk

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por naterradosplatanos às 15:02 | link do post | comentar | ver comentários (3)
Terça-feira, 14.01.20

Circos da minha infância...

Não me lembra quando foi a primeira vez que fui ao circo! Devia ser muito pequena já que quando os circos chegavam, assentavam arraiais sempre muito perto da nossa casa e era pois natural que o nosso pai nos levasse.

Porém do que me lembro é de uma decisão da minha mãe quando um dia chegaram, simultaneamente, á cidade dois circos: um circo “pobre”, pequeno em tamanho e onde a família, pais e filhos eram os únicos artistas, o outro, o circo “rico”, grande, encimado por bandeiras coloridas, gaiolas com animais e toda a parafernália que estes espetáculos costumam trazer...

 

Lembro-me  perfeitamente da contorcionista ser a mãe em conjunto com uma filha adolescente! Não havia o palhaço rico, só o palhaço pobre que fazia rir a pequena plateia que se sentava nuns bancos corridos... havia também um cãozito, suponho que um “caniche” que empurrava um carrinho... e mais não me lembro! Sim, nós fomos ao circo, mas ao “circo pobre” pois, segundo a minha mãe era esse que precisava de ser ajudado!

 

Ontem, voltei ao circo... fomos ver o “Cirque du Soleil, presente de Natal dos nossos filhos!

Tendo nós estado mais de um ano na cidade que viu nascer este maravilhoso espetáculo, não sei como nunca o fomos ver!

É realmente um circo diferente e é a extraordinária criatividade que o torna inegualável!

tags:
publicado por naterradosplatanos às 20:23 | link do post | comentar | ver comentários (4)
Quinta-feira, 09.01.20

Diários do nada (62): kiwis

 

Este ano a minha colheita foi jeitosa, sobretudo pelo tamanho!

Aqui ficam eles:

 

  • 91286815-FFDA-4A1C-99EE-0EF8EEFF3698.jpeg

    2A2899D8-7BBD-4FF2-828F-90BE0D638CFC.jpeg

    126BC0ED-9B80-418B-B6EF-AD6F93037569.jpeg

     

tags:
publicado por naterradosplatanos às 15:43 | link do post | comentar | ver comentários (5)
Terça-feira, 07.01.20

Comprei um Globo!

 

 

Quando tinha uma sala de aula só para mim e para os meus alunos tinha três, num deles até se podia escrever com giz já que era negro e apenas tinha o contorno dos continente. Era muito prático para explicar latitudes e longitudes, situações relacionadas com a dinâmica da atmosfera e muito mais.

Por isso nunca tive um meu e talvez por haver dois Atlas cá em casa nunca senti necessidade!
Não sei porquê, um dia destes pensei que precisava de um Globo e assim aqui está  ele sempre pronto a ser usado...

 

422BB4EA-D6EB-4B0A-BE96-64FA89BC3CEB.jpeg


Entretanto assinalei nele todos os lugares que já visitei e conclui que ficam todos entre as latitudes 23ºN (Key Islands-Florida) e os 68ºN (Narvik-Noruega) e entre as longitudes de 123ºW (Califórnia) e 29ºEste (Istambul).

Se há lugares que ainda sonho visitar, digo que não o que não significa que queira encerrar as minhas viagens, não, não encerrei, só que eu agora tenho mais  prazer em voltar aos sítios onde já estive mesmo que seja pela, 2.ª,3.ª ou 4.ª vez!

Tolice dirão, mas o facto é que voltando eu aprecio sempre mais!

 

 

tags:
publicado por naterradosplatanos às 17:42 | link do post | comentar | ver comentários (5)
Sexta-feira, 03.01.20

Dos Fortios trouxe um livro sobre a Austrália!

 
 
A Clélia veio visitar-nos! 36 horas de viagem atravessando continentes, muitas horas de voo, muitas horas de espera em aeroportos, mas quando as saudades são muitas “não há longe nem distâncias”...
Quando o tempo é escasso e muitos a abraçar qualquer hora é boa! O nosso encontro foi cedo pela manhã, 9:30 nos Fortios - a manhã estava de sol e a nossa conversa foi pelas ruas, na tranquilidade da aldeia... Pusemos a conversa em dia? Não, nunca se põe! Mas pudemos ver-nos e abraçar-nos e esperarmos por uma próxima vez! Entretanto conversamos em horários trocados (pelo WhatsApp) já que são 11horas de diferença horária!
Era meio-dia, então ao despedir-me recebi um belíssimo livro sobre a Austrália, certamente escolhido a pensar que eu fui sua professora de Geografia!
Obrigada Clélia!
 

8541CA4F-B7E8-4C8E-807A-DAA2EAEB311B.jpeg

7683C600-AFF0-46D8-BEFB-7C93F9D2594B.jpeg

 

 

publicado por naterradosplatanos às 11:52 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Quarta-feira, 01.01.20

Avenida de Roma: 7:30

 

A avenida estava deserta e envolta num nevoeiro fino... a minha função de babysitter tinha terminado. As crianças que na noite anterior tiveram permissão de ir para a cama um pouco mais tarde, (não sem antes fazermos a nossa passagem de ano antecipada de duas horas!) ainda dormiam... a avó, sorrateiramente, fez-se à avenida silenciosa...

Ao longe um e outro vulto... cruzei-me com elas e acho que apesar de muito novas não vinham de nenhum “réveillon,” mas talvez de fazer o mesmo que eu!

 

60009394-680C-4602-9092-9BE831B1BD11.jpeg

 

publicado por naterradosplatanos às 20:51 | link do post | comentar
Domingo, 29.12.19

Périplo por Arronches

O dia estava de sol, a temperatura estava morna e as conversas guardadas desde há meses!

Conversar e simultaneamente andar por aí, são assim os nossos “périplos”...

Desta vez o cenário das nossas conversas foi uma vila alentejana em toda a sua brancura e escrupulosa limpeza!

 

O que conversámos? Posso dizer que as nossas conversas são um emaranhado de assuntos a que assenta bem o dito popular: as conversas são como as cerejas! Digo que é um emaranhado porque saltamos de uma conversa da “agenda” para a apreciação do que vamos vendo, sejam as pessoas com que nos cruzamos, seja a fachada que descobrimos, um jardim por que passamos... não raramente paramos e nos perguntamos: de que estávamos a falar? Lá recuperamos a conversa e logo a seguir de novo nos perdemos...

 

Desta vez os assuntos de agenda foram entremeados pela apreciação das casas baixas com as suas faixas amarelas ou azuis, deste ou aquele património ou pelo apreciar os passeios onde se alinham as laranjeiras agora cheias de fruta!

 

Porém Arronches tem mais que nos mostrar, além do casario! Dois interessantes museus em edifícios recuperados que abrigam património: o Museu Agrícola e o Museu do Brinquedo que transporta qualquer um á sua infância... se esta já for longínqua!

Transpondo a porta ampla da igreja, que a ver pelas suas colunas e abóboda, deve ter tido um papel importante... subindo ao coro encontra-se o que foi salvo e recuperado de um espólio há muito tempo esquecido!

 

A tarde ia caindo, o sol ia-se pondo e antecedendo a despedida, outro “périplo” foi alinhavado para o fim de Janeiro!

 

As laranjeiras nas ruas...

E28C8FC7-EED4-4F65-AB5A-F69EEF9980D3.jpeg


O museu agrícola 

9ED73AFE-84B0-488F-B734-C093CEB5C972.jpeg

 

O trem de cozinha de infâncias passadas...

6CB3937B-6FE9-4056-9B61-FE5E0AB1A4F4.jpeg

 

As escadas para o coro... alvas de neve como é próprio do Alentejo

B716B9B8-8B26-4725-9C4C-B16DDCC3FCDF.jpeg

 

publicado por naterradosplatanos às 22:46 | link do post | comentar | ver comentários (4)
Quinta-feira, 26.12.19

Um dia acontece...

O Natal teve em tempos alguma magia para mim. Sim, em tempos... esses tempos têm duas épocas: eu, miúda, acreditei até um dia que, por motivos de saúde do meu avô, não houve Natal, depois veio o tempo dos meus filhos, tempos em que para grande felicidade deles, a magia estava em casa da avó...

Hoje o A. enviou-me esta fotografia que lhe chegou pela S. e que foi tirada no Natal de 1986 quando o Pai Natal deixou de ter quem nele acreditasse!

 

E já foi há tanto tempo!

 

7349AD03-F490-4D9C-BA5A-1678508655B8.jpeg

 

publicado por naterradosplatanos às 16:11 | link do post | comentar | ver comentários (7)
Quarta-feira, 25.12.19

Não faz sentido!

Nestes dias deseja-se Feliz Natal a toda a gente, a simples conhecidos, a amigos, à família, a quem nos atende, à cabeleireira onde vamos, à menina da caixa, ou por escrito “a molhe” (undisclosed recipients), num simples e único click...

Mas o que dizer quando desejamos esse Feliz Natal a quem está sozinho e é velho e sem esperança?!!
Neste caso é mesmo um pecado que tenho o cuidado de não cometer!
publicado por naterradosplatanos às 19:42 | link do post | comentar | ver comentários (3)

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

Janeiro 2020

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

últ. comentários

Posts mais comentados

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO