Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

No Areeiro e por aí...

No Areeiro e por aí...

29.12.17

As meninas da quinta...


naterradosplatanos

Talvez por o dia estar chuvoso e triste lembrei-me delas... eram mais novas do que nós e estou a vê-las à nossa porta, vestidas pobremente, sapatos velhos com um xailzito pelos ombros, ás vezes traziam com elas um irmãozito mais pequeno...

 

De vez em quando batiam-nos à porta, não muitas vezes já que viviam numa “quinta” fora da cidade. Porém pelo Natal vinham sempre e traziam-nos o seu humilde presente, um ramo cheio de bolinhas vermelhas, como este... 

 

80990CC7-D28D-492D-9988-BD1A61071F11.jpeg

(Gilbardeira/ruscus aculeatus - web )

 

 

Cresceram e deixámos de as ver, mas um dia e por acaso, a minha irmã e a minha mãe que passeavam no Chiado ouviram: “Srª D. Alice, Srª D. Alice, sou a Conceição da quinta a quem tantas vezes a senhora vestiu e deu esmola...” o resto da conversa que emocionou-se a minha irmã e a minha mãe deixou perceber que estavam bem.

 

Meu Deus, como os tempos de hoje são BONS!

28.12.17

Tem 74 anos...


naterradosplatanos

Sempre me lembra deste serviço de pratos ir à mesa em dias festivos. Foi oferecido aos meus pais como prenda de casamento no longínquo ano de 1944. Quando menina achava-o o máximo nas suas florinhas delicadas e nos bordos em dourado. Hoje gosto dele pela sua idade e pelo significado que tem o continuar a ir à mesa em dias de festa!

9D21B0C7-D4E6-4B5B-9313-A4A375C1C190.jpeg

01D8D4F6-53FD-4AC3-81D2-9EBE36BB63B1.jpeg

27.12.17

Reeditando o Natal...


naterradosplatanos

Depois de alguns anos o Natal cumpriu-se agora com cinco bisnetos, com grande alegria de uma bisavó com saúde e dinâmica que tomou a seu cargo as decorações... a mesa vestiu-se também com uma toalha feita por Ela e o serviço que há 74 anos lhe foi oferecido como prenda de casamento! Foi mesmo um Natal muito Feliz!

A nossa mesa:

0429AED5-E4DE-4696-95EE-4130C615A841.jpeg

19.12.17

Pudim de Natal...


naterradosplatanos

 

 

Todo o tempo as saudades tomaram conta de mim e a sua confecção é demorada!

Cortar o pão de alguns dias a trás, mergulhá-lo em leite a ferver, juntar mais isto e mais aquilo...

Fazíamo-lo as duas, encostadas ao balcão da cozinha e entre o que íamos juntando, sempre “a olho” e os seus elogios ao meu jardim, o tempo não contava... “agora preciso de um cálice de Vinho do Porto”; “prova para ver se está bem docinho...”;”e se juntassemos mais um ovo?” Depois vinham as frutas, as passas, as nozes...

 

Antes disto tudo, estava a seu cargo o untar a forma... mas haveria alguém que untasse a forma melhor do que Ela? Certamente que não!

Seguia-se o espreitar o forno, espetar o palito, considerar se era ou não altura de o tirar... tudo isto levava a que uma tarde se passasse...

 

Que saudades... não, não são do passado mas de quem estava nesse passado!

 

Há tempos escrevi a receita, pesando e medindo o que as duas fazíamos “a olho”, para que o Pudim que Ela tão bem fazia possa continuar a ser uma tradição na nossa mesa de Natal!

 

29E25C19-8126-40EF-9E61-65A3E512223B.jpeg

 

 

 

 

 

17.12.17

Notícias das “luffa vines”...


naterradosplatanos

Há dois anos semeei pela primeira vez “luffa vines” e produziram o suficiente para mim e para oferecer, o ano passado repeti a sementeira mas produziram um pouco menos.

Das duas vezes secaram nas plantas e colhias-as já castanhas, porém desta vez, e já por estarmos quase no fim de Dezembro, mesmo não estando como então, resolvi colhe-las. Agora vou deixá-las secar em casa e depois tratá-las como deve ser.

Desta vez a produção foi enormíssima, 17 + 12 que, estando tão altas, não as consegui colher! Veremos o que lhe acontecerá.

 

Não Clélia, não me esqueci que prometi mandar-te sementes para semeares aí, só que estou á espera das sementes novas. Quando mandar aviso.

 

Ficam aqui as  Luffa vines  do ano passado e as de este ano

 

8733C18D-49B4-4A20-A24C-81BE10E082EC.jpeg

CF9C0822-51EF-459B-822D-0B26D3433D00.jpeg

 

 

 

 

 

14.12.17

Reconheço...


naterradosplatanos

 

Reconheço que o Fb reencontrou muita gente que se tinha perdido, reatou amizades e continua a mantê-las.

Porém a minha maneira de ser não se coaduna com muita da frivolidade que por lá passa... provavelmente defeito meu, de outra forma o Fb não teria os milhões de aficionados que tem!

 

Na realidade, logo no início desta moderna forma de comunicação a minha neta R. arranjou-me uma conta... Porém a certa altura, arreliada com os “pedidos de amizade” de pessoas que eu não conhecia se bem que fossem amigos dos amigos e amigos dos amigos dos amigos, risquei-me!

 Assim, sabendo que não tenho acesso ao Fb a Fátima mandou-me a fotografia da página dela... com espanto, seguido de orgulho (bom) pude ler o comentário de três alunas minhas que o foram, num passado já longínquo!

De duas, já não me lembro dos seus nomes, como eram então adolescente e hoje mulheres, muito menos as reconheço... elas que me desculpem.

No entanto fica o pedido, se me virem na rua, quando ocasionalmente vierem por aqui digam-me: olá professora!

 

B412E78F-AEEE-4784-8CA8-BF7833EE5291.jpeg

Pág. 1/3