Domingo, 14.10.18

Quem amamos devia ser eterno!

Tive uma infância muito feliz e muita, muita dessa felicidade lha devo...

Quando regressava da faculdade havia uma mala pequena, que sabíamos que tudo o que lá vinha era para nós...

Era uma espécie de mala mágica que se abria e que nos parecia iluminar-se...de lá saiam umas vezes bonecas, outras vezes reluzentes trens de cozinha, depois puzzles, mais tarde livros e mesmo uma bicicleta chegou pelo correio de então...

 

Crescemos, certo que a nossa adolescência foi longe dela mas sempre havia alguma surpresa que nos chegava!

Depois voltamos a tê-la por perto e com todo o carinho nos recebia... até aos últimos dias que esteve entre nós, teve também toda a nossa ternura!

 

Faria hoje 95 anos e daqui a dois dias, dois meses que os seus olhos verdes se fecharam para sempre!

 

publicado por naterradosplatanos às 08:39 | link do post | comentar | ver comentários (6)
Sexta-feira, 01.06.18

Onde há balões há crianças...

 

Os balões são o fascínio de qualquer criança, sempre o foram e o são, no futuro não sei...

Os balões da minha infância e até dos meus filhos eram diferentes dos de hoje e por isso à felicidade de ter um, logo vinha a tristeza por se ter subitamente rebentado!

 Os balões de então eram bem coloridos mas frágeis, além disso eram apenas simples balões atados por um fio e nada de se elevarem no ar... roçar no chão ou num arbusto, por descuido, e a felicidade desaparecia num estrondo!

 

Os de hoje têm as caras dos heróis que a televisão lhes impõe e outros que, como o Rato Mickey, são imortais. Confesso que além deste, da Mini, e do Homem Aranha os outros ultrapassam-me! 

Estes balões em que a  personagem é relevante na escolha, têm a vantagem de se manterem no ar não rebentando facilmente, apenas vão murchando...  depois, acabam os seus dias no canto do quarto das crianças que tornaram felizes,  até a mãe de cada uma delas se lembrar de o por na reciclagem... presumo eu.

 

Estes balões estavam presos num carrinho e o bebé ainda não tinha idade de exigir um, á mãe que os vendia!

096B6B37-5AF0-42E9-95CB-B92EA480CBFF.jpeg

 

publicado por naterradosplatanos às 23:35 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Terça-feira, 25.10.16

Não tenho raízes...

Durante a viagem de ontem vim refletindo no facto de sentir que não tenho raízes!

A cidade que me viu nascer, viu-me deixá-la aos 17 a caminho da faculdade, depois a cidade que me "deu" um curso teve-me 5+ 5 anos, depois veio o Alentejo que me "tem" há 42 , porém sem nunca ter conseguido nela lançar verdadeiras raízes.

Meditando sobre isto concluí que na realidade eu só tenho aqui uma única raiz que me prende, a minha casa, aqui no Areeiro!

Pudesse eu transplanta-lá como faço com as árvores do meu pomar e eu não estaria aqui... ingratidão para esta cidade dirão. Sim, pois foi nela que passei dos dias mais felizes da minha vida: exercí a profissão que me preenchia, aqui criei os meus filhos sem preocupações, primeiro na pacatez da Praceta, depois no Areeiro. Tudo estava a dez minutos de casa, a escola, o colégio, a fábrica... e isso contribuiu para a vida calma que levámos  - assim uma espécie de linha reta onde tudo era mais ou menos previsível.

A escola acabou, a fábrica também, ficaram os conhecidos mas estes não contribuiram para criar raízes...

Assim temos apenas uma raiz que sendo tão forte nos mantém aqui, essa raiz é a nossa casa!

image.jpeg

 

 

 

publicado por naterradosplatanos às 12:20 | link do post | comentar | ver comentários (5)
Quarta-feira, 20.01.16

Uma coleçāo de 4 unidades...

... que dificilmente aumentará!

A dita "coleção" começou há mais de 30 anos, quando ainda não morava no Areeiro, mas numa praceta perto do Liceu. Ia e vinha para a Escola a pé... um dia quando vinha para casa vi na rua 3/4 de uma ferradura, sim de uma ferradura, porém passei à frente... mas a ferradura é um símbolo de felicidade pensei eu, hesitei... apanho ou nāo apanho? Olhei em volta não fosse alguém, quiçá algum aluno, ver-me...

Não havia ninguém, assim apanho esses 3/4 de ferradura e levo-a comigo. Vendo bem "3/4 de felicidade" até era um bom augúrio para quem acabava de chegar à cidade!

 

Já não me lembro das circunstâncias em que encontrei as duas metades nem a completa, o facto é que as guardei durante muito tempo e depois as trouxe para o Areeiro. A inteira pú-la a decorar a entrada da casinha das ferramentas, as outras há trinta anos que andam por ali sem nunca se terem perdido!

Nessa altura os pachorrentos animais ainda se passeavam pela cidade mas, como é óbvio, os tempos são outros e por isso nunca mais tive oportunidade de aumentar a minha coleção.

Hoje à tarde o sol apareceu e fui ver como as coisas estavam  lá por baixo depois de tantos dias de chuva e assim encontrei assunto para o post!

 

p.s foram realmente um bom augúrio, já que temos sido muito felizes nesta "cidade do Alto Alentejo".

image.jpeg 

image.jpeg

publicado por naterradosplatanos às 20:09 | link do post | comentar | ver comentários (4)
Quinta-feira, 13.11.14

4 gavetas vs felicidade!

Ontem ao telefone com a minha filha, perguntei-lhe se sabia se a R. tinha lido o meu email.

Eu tinha-lhe escrito a comentar um livro que ela tinha emprestado e sobre o qual lhe tinha prometido dar a minha opinião!

"Não, não leu porque está de castigo"! "Então qual é o problema?", pergunto eu. "O de costume, desarrumação!"

 

Para encurtar a conversa, aqui fica o desabafo da minha neta: " por causa de 4 gavetas desarrumadas arruinas a minha felicidade"!

Estas adolescentes dramáticas!!

publicado por naterradosplatanos às 08:59 | link do post | comentar | ver comentários (9)

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

Novembro 2018

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
14
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

últ. comentários

Posts mais comentados

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO