Sábado, 22.02.20

Arquivo fotográfico de Malta

Para mim:

 

457087CB-F2E1-4218-9664-2FEB6149C4B6.jpeg

5EB85FA5-DA8C-418B-87AE-88BAF228C2B9.jpeg

199340B8-1D1E-4763-98EB-697B1B3ED9A5.jpeg

2792D735-0779-42D0-AB66-623DD262C357.jpeg

D1ED3C06-4298-49FB-88E0-6E04C2BE41D5.jpeg

F590E58F-DFDE-4DC2-8813-8A9E3D9D5158.jpeg

F6F3E2A8-4D24-4EF2-B0ED-7493B4B7287C.jpeg

FCEDA15D-F761-4920-B6C0-8F6A9F747EF3.jpeg

8F6CC8DF-2630-442A-97C9-131A3A0199F3.jpeg

 

4A48AFFE-BA81-4F6B-94D9-1206252BB4DF.jpeg

6ECC780A-97FA-4BCB-A02F-2E070B9F4B6E.jpeg

A96D69A1-6DB7-4CE9-8539-2261A384EE58.jpeg

82932849-E27E-4412-A78E-32860EBE0E82.jpeg

870B120F-C376-4EC3-87BC-7D16C895C52A.jpeg

8FD9B121-1419-43F7-8497-24AAE0D0FCF9.jpeg

EB078123-0545-451B-B59B-8C6B3BAEB4F0.jpeg

C65C7A25-8917-439B-8FBF-E8EA824303BE.jpeg

149BB208-74FA-4D78-94AB-59D3EBFE02C0.jpeg

EBF5E36D-BC4C-46BB-87EC-DA07C8F8B796.jpeg

69BCE588-32A1-4451-9928-2A90EC3089F1.jpeg

3F210AC6-F9CF-4A3F-8AB6-316CD8E93AE2.jpeg

391641BA-9941-44E4-8D93-C71842F093E3.jpeg

125A4DF0-4236-4B0D-8D67-DA3A85939B28.jpeg

O Maltês na escola...

1D841045-4E93-4971-96D8-CE589A86F019.jpeg

 

O inglês, o maltês e francês em comparação

C72494A2-F748-41F9-8E0B-A8A3F3DA4C5F.jpeg

Marsaxlokk ( porto piscatório)

0E18EEEF-D13E-4699-98F1-B86D51F94E3F.jpeg

7A020761-C373-430F-AFFB-97696CEDAEF7.jpeg

B43764FB-A0D3-45BD-B849-46116A75EC34.jpeg

CEDBBA19-E6DE-4C51-AB58-D7B89BF91B47.jpeg

887BA280-432F-40F7-B5B3-44CB2AA3A0F7.jpeg

40D567C3-8496-4C16-AB5B-D968F54EC536.jpeg


O mundo rural

8865F528-9186-463F-8276-6D4BE0CC3C85.jpeg

91121D8C-0208-4566-AA0A-EA074A15818E.jpeg

3C2FA724-1202-4A7A-9C94-B4421D06FE57.jpeg

A costa

0F007B02-4436-419C-84E4-F6FF0D43D649.jpeg

562CC979-C722-4685-996F-AA017D172F9E.jpeg

31660441-4F1A-4C76-8665-D341C40CD388.jpeg

071A695D-4E26-4950-8B5F-30395DC97B43.jpeg

FAC10575-DFA3-4333-9550-DBB6B2384310.jpeg

 

St. John Cathedral (um esplendor)

4678CAEB-F9D9-4B40-92CE-371222FC79FD.jpeg

648D367F-0661-4ABE-846C-F86A51F48DB3.jpeg

D0E42695-45F1-444A-AC56-EEE1A43BB883.jpeg

9E1CD8C5-8E1C-4C41-A7A4-6DA6F3A43419.jpeg

4DEF0E5D-E6F4-46E8-8767-8CB53BC949DD.jpeg

4BF9069C-AE76-43EE-8847-F4EE9E854354.jpeg

BFBED6F4-BE3E-41B4-840E-A5E52BE604ED.jpeg

 

Varandas...

6EED53A1-3B70-4166-A8A5-695213762D82.jpeg

EDC1FFC1-024F-4278-A54F-B58B49624158.jpeg

862A8615-3961-4C88-877D-F70C8122B80C.jpeg

9E8C3F25-8605-4F0E-A820-57FC12B789B0.jpeg

6E832B91-278F-4BE8-B2AC-7DD96BADA30C.jpeg

234BD298-DCA5-4411-8D0A-A87E24F5CC75.jpeg

90164AF4-9895-484E-9EE9-B161D3FF0194.jpeg

Malta vista do Ar...

 

ED1D364C-3E4A-4E7D-9FC0-2DE3215EC89C.jpeg

B2D45327-44BA-468D-8E7E-2C93A5030899.jpeg

30D04237-8E35-46FA-8864-B4908596458F.jpeg

82387F7E-F7D1-4BDD-ADFE-AEFE89C3D65B.jpeg

86AA19FE-E93E-4EB3-9DD1-919E10965E02.jpeg

44B8CC69-28A9-42B0-9329-6DC709FE3401.jpeg

68BBB9D5-BEF1-4E4B-9CF5-9C1F5BA43CDA.jpeg

A2F63092-415A-4A77-A893-143A7B51D1BD.jpeg

 

 

tags:
publicado por naterradosplatanos às 17:46 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Sábado, 15.02.20

Malta: o que tem e não tem em 27km x 14,5km

 

 

Malta tem:

 

. Muito sol

. Muitas marinas

. Milhares de barcos (que vão dos luxuosos yates, aos que são apenas para dar umas voltas nas baias)

. Muitos, muitos automóveis tendo em conta a dimensão da ilha.

. Muitas casas (das típicas varandas) degradadas em ruas que, embora parecendo um contra-senso são bonitas

. Muitos guindastes no horizonte, logo muitas obras

. Muitos hotéis

. Muitas, muitíssimas igrejas (365 ao todo)

. Uma história fabulosa onde entra um português ( o grão-mestre da Ordem de Malta Manoel de Vilhena)

e...

. Muita simpatia!

 

 

Malta não tem:

 

. Praias

. Chuva (pouca, logo a água resulta na sua maioria da dessalinização da água do mar)

. Campos de cultivo (ou muito poucos)

. Não tem (ou pelo menos não vi) pedintes.

 

Resumindo, Malta tem todo o “charme” do Mundo Mediterrâneo e é um  destino a considerar!

 

Esta fotografia é uma pequena amostra do que Malta tem para nos oferecer...

 

AB92E5C8-5501-4C7B-9E26-2D931B5F5B5B.jpeg

 

 

 

tags:
publicado por naterradosplatanos às 18:35 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Sexta-feira, 14.02.20

A cidade das cidades...

Quase que me atrevo a dizer que Malta é uma ilha urbana, pequenas cidades anteriormente existentes, graças ao desenvolvimento  soldaram-se como numa cidade única que no entanto é diferente nas suas partes! Vejamos: no lado norte da ilha é a cidade que não desmente o crescimento pelo turismo e a outra (que são outras) que vêm de tempos bem mais recuados e com um carisma único!
As casas de pedra amarela, (
frágil calcário) e suas pequenas varandas fechadas e multicores, tornaram-se  no ex-libris de Malta, embora muitas delas estejam totalmente degradadas! O facto de estarem debaixo da proteção da lei que não permite a sua descaracterização e sendo grande parte delas baixas, não as torna apetecíveis para o imobiliário... e assim se vão degradando!

 

89E50317-DBF9-4A54-939E-6BC46F4CA299.jpeg

FDF3025B-959A-44CD-9A55-D13314422396.jpeg

2D73DCAD-A77C-4CC8-88B7-D9137BC9566E.jpeg

4B865076-F2CD-490F-AB76-FFDA0E1408B6.jpeg

 

6BD066CF-98CE-4FF1-956F-3A155FDAD4BC.jpeg

D2F46FBE-17F0-4FF1-8A69-08F8715F5136.jpeg

 

 

tags:
publicado por naterradosplatanos às 19:16 | link do post | comentar
Quinta-feira, 13.02.20

Olhar de turista sobre Malta...

Malta é um “melt pot” de nacionalidades, tal como o foi de civilizações.

A esta pequena ilha aflui gente de todo o mundo e é muito fácil comprová-lo se prestarmos atenção a quem connosco se cruza: pele de todos os tons, isto é, graduados do branco, branco do norte ao negro , negro da África que fica a não muitos quilómetros daqui,  passando, claro está, pelo acastanhado dos indianos, paquistaneses, filipinos... também os olhos nos indicam as origens, quer pela cor, quer pela forma. Além disso e dentro destes todos que mencionei há ainda que distinguir os que residem e os que procuram o sol e as temperaturas amenas. Sim à procura de praias não vêm, porque aqui na Ilha não existem!

Talvez e por isso não haja muitos turistas com crianças pequenas como vemos no Algarve. Também os turistas se distinguem de quem a habita pelo que vestem: calção e sandálias os homens, sandálias e “shirts” bem decotadas nas senhoras; os malteses e afins em trajo normal (casacos e outros agasalhos ainda se vêem) de quem vai trabalhar seja no que for.

Toda esta gente forma pequenas multidões que atravessam as ruas, sobem e descem as vielas ou

6B2927ED-C74F-4263-8821-CD8608F872FF.jpeg

 

fazem fila para o barco que, em cinco minutos, as deixa no outro lado da baía...

É um ambiente interessante mesmo que às vezes pareça confuso!

tags:
publicado por naterradosplatanos às 18:00 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 07.12.15

Para memória futura...

Nunca pensei que numa tão pequena ilha (apenas 27km comprimento por 14km de largura) houvesse tantos automóveis! Velhos, de meia-idade e novos topo de gama. Estes últimos não sei onde exercerão a sua potência pois dificilmente se poderá andar a mais de 80km/h. Talvez na estrada para o aeroporto!

 O único transporte coletivo são os autocarros e os "ferry" para Gozo. Hoje em dia são modernos autocarros, muito frequentes e para todo o lado. O bilhete é único, 1.5€ e dura duas horas o que significa que com 3€ se pode dar volta á ilha e ainda parar pelo meio.

Aqueles autocarros que tanto encantaram a Patrícia e que eram também um ícone da ilha, só já existem em postais como este.

image.jpegM

Tenho a certeza que ela vai ter pena, mas 20 anos passaram e o progresso tem destas coisas...

O que negativamente impressiona é o caos urbanístico de alguns lugares, como ontem disse. Outra coisa que não esperava era a dimensão das áreas urbanas que devem quase suplantar aquilo a que chamamos campo. Manchas enormes de casario que vai do litoral até ao meio da ilha, isto a norte e a leste. Também se assinala que há um único arranha-céus provavelmente necessário para encabeçar as antenas de telecomunicações  que tem no topo, o resto dos andares são escritórios.

Acho que já disse que não há praias, a única que vi seria do tamanho da do Estoril! A ilha é turística mas em duas voltas à ilha não vi "resorts" como eu os entendo, vi sim vários complexos inacabados, alguns deviam permanecer assim há longo tempo dado o seu aspeto. Quase toda a costa é em arriba ou com uma plataforma absolutamente rochosa onde nenhuma areia se depositou. Assim se compreende que os barcos de refugiados rumem a Lampedusa e não a Malta que também tão perto está do Norte de África.

Aqui a água, ou melhor, a falta dela é um dos principais problemas da ilha pois chove pouco e ás vezes quando acontece é tão torrencial que não dá hipóteses de infiltração que enriqueça os lençóis freáticos, provocando grandes deslocações de terra.

Portanto como a água é escassa, não há jardins, muito menos relvados, apenas canteiros onde flores adequadas à pouca água, se alinham. Árvores poucas e mesmo poucas palmeiras...

Não se vêm animais no campo, nem mesmo cabras que hipoteticamente dão o queijo que aqui se vende com o nome de " Maltese cheese"!

Como disse o maltês é a língua oficial a par do inglês mas constatei no autocarro que o comum das pessoas fala maltês entre si embora rapidamente passem ao inglês se necessário.

Num artigo o "Times of Malta" referia que é necessário incentivar  a publicação de livros em maltês sobre tudo para as crianças mais pequenas, livros de frases simples e desenhos apelativos para as introduzir na aprendizagem da língua escrita.  O mercado é limitado e daí a dificuldade. E quem fala maltês a não ser os quatrocentos e tal mil malteses? E  quantos desses serão crianças?

 

Foram uns dias muito interessantes. Em Malta vi consubstanciado, numa pequena ilha, tudo o que aprendi há longos anos, nas aulas do Professor Orlando, sobre o Mundo Mediterrâneo: os invernos suaves, a agricultura que ele chamava de " jardinagem" nos terrenos de "terra rossa" entre muros que resultaram do arrumar das pedras que semeavam as pequenas parcelas... 

Depois as casas sem telhados com a sua cor de areia recortando-se num céu azul mesmo num dia de inverno, que mais parecia verão!

publicado por naterradosplatanos às 12:09 | link do post | comentar | ver comentários (6)
Sábado, 05.12.15

Do património e do resto...

Não é por acaso que Valleta é Património da Humanidade, muitos anos de prosperidade entre muralhas resultaram em palácios, igrejas sem conta, residências de uma classe endinheirada do tempo em que os ingleses aqui imperaram.

 

image.jpeg

image.jpeg

Mas mais que a parte monumental são essas casas que são um ex-libris de Malta. Porém, embora atualmente protegidas de demolição mas, não tendo sofrido renovações uma grande maioria está desabitada e muitas em estado de degradação... Vejam como são bonitas:

image.jpeg

image.jpeg

...  e o resto é o resultado da construção sem critério... construir depressa porque a população crescia e cresce, tudo numa amálgama, não de estilos mas de aspetos sem qualquer preocupação unidade que hoje ainda continua...

image.jpeg

image.jpeg

Depois veio o turismo e as maravilhosas baías ficaram assim!image.jpeg

 

publicado por naterradosplatanos às 18:31 | link do post | comentar | ver comentários (5)
Quarta-feira, 02.12.15

"Olhar geográfico sobre Malta" (a pedido da Fátima)

É para ela, e a seu pedido, que o assunto é geográfico...

Certamente que o que vou dizer não é verdadeiramente novidade para ela e até eventualmente para outras(os) leitoras(es).

A ilha é calcária logo a cor da paisagem reflete a sua geologia, a ausência de árvores também, o que não é cultivado é áspero, geograficamente falando é uma paisagem de "karst", logo a vegetação é rasteira e pouco densa. O litoral é de arribas e as praias propriamente ditas não existem. Os terrenos de cultura são de terra vermelha "terra rossa" e as pedras que dela foram tiradas fazem os muros que dividem as minúsculas propriedades.

O clima mediterrâneo permite-lhe duas culturas anuais de primores. Havia parcelas minúsculas semeadas de feijões, cebolas, cenouras, batatas, beringelas... É o quadro típico do mundo rural da bacia do Mediterrâneo! Também o clima dá personalidade às habitações, os telhados inclinados não existem e os terraços substituem-nos o que dá sempre um ar de inacabado, têm o mesmo ar das que vi na Grécia ou no sul da Itália...

Como ilha, no meio de um mar de passagem de civilizações, ficaram-lhe as características de todas elas e é, a dos tempos de hoje que, para servir multidões de turistas  nos faz sentir numa qualquer "riviera" por vezes desinteressante.

Mas para além disto há Valleta, Mdina...

image.jpeg

image.jpeg

image.jpeg

image.jpeg

image.jpeg

image.jpeg

publicado por naterradosplatanos às 19:00 | link do post | comentar | ver comentários (3)

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

Novembro 2020

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
14
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

últ. comentários

Posts mais comentados

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO