Sábado, 12.05.18

O GRANDE MAPA DO MUNDO...

 

Os “périplos” entraram na nossa rotina quando nos encontramos em Lisboa. Conforme se vão somando mais felicidade nos trazem: as duas deambulando pela cidade com a conversa a ser como as cerejas, numa perfeita amizade que começou com uma relação professora-aluna, aqui há muitos anos...

 

Desta vez não foi um simples deambular ao acaso como já aconteceu, não, desta vez saiu da carteira da Professora que agora o é, um mapa... logo o nosso périplo ia ter uma rota pré-estabelecida que nos iria ocupar toda a  manhã...

 

Aqui está ele, reparem no título (todo o mapa obrigatoriamente tem que ter um título!)

O GRANDE MAPA DO MUNDO

 

F7D5FDC2-0582-41E6-A635-81AB4D923B22.jpeg

 

Título enganador? Não, porque aqui está mesmo o mundo! Sim pode parecer exagero mas não o é  pois, percorrendo as ruas sem pressa, olhando as fachadas, as varandas e os seus estendais, olhando o que se alinha nos passeios, espreitando dentro, mirando as montras, olhando os transeuntes... concluímos que realmente aquilo não é um mundo, mas é “O” mundo!

 

E porque insisto que aquilo é “O”mundo? Pelas suas gentes, pela forma como se vestem, pela língua que falam, pela  cor da sua pele... e não se pense que só a cor acastanhada e os olhos negros o habita, não, a pele branca e os olhos claros também lá estão num qualquer AL... embora de passagem, de mochila às costas e no passo apressado de quem tudo quer ver no pouco tempo que tem!

 

Como duas professoras, uma que foi e outra que é, a nossa observação foi forçosamente diferente de quem o visita pelo típico, pelo colorido... e assim de “cabeça no ar” e refletindo sobre certos pormenores, fomos constatando que o título do mapa que nos guiava era a mensagem certa para quem percorresse aquelas ruas sinuosas, que ora sobem ora descem a encosta...

 

Observemos na fotografia que se segue e a roupa estendida nas três varandas: 

 

DD0E006A-1071-4DD7-BC06-2598F4F11BFB.jpeg

 roupas de “três mundos”, no primeiro andar os saris indianos, no segundo roupa de alguém autóctone e no terceiro parece adivinhar-se origem africana.

 

Depois veem os chineses, não as lojas dos chineses que nos vendem a nós quinquilharia, mas a loja do chinês para chinês ao estilo de mini-mercado de bairro... na porta seguinte a imobiliária franchisada com promotores chineses, não deixa enganar da importância atual desta comunidade.

4BE427DD-4E23-47BC-B445-A7942B130850.jpeg

FD8EFA76-5F02-49E0-95F3-94069AE8FBF8.jpeg

D511114F-22A5-456A-8370-EAF45577C5D2.jpeg

 

Numa rua mais além está o Nepal e o mundo tibetano, logo a seguir um Mimi-mercado do Bangladesh...  e o Cabeleireiro que embora se anuncie de Paris não deixa enganar a quem serve!

 

39CF7DF4-866F-4D03-A78B-E11B886D6817.jpeg

9169FF4F-1BC2-448F-8691-A5C6A5523D56.jpeg

80EA7422-7C98-42D4-97F9-CB277F6A0CFB.jpeg

 

Ao fundo da Rua do Benformoso vendem-se capulanas e os alfaiates atendem os clientes da terra longínqua...

 

As duas mesquitas que o Grande Mapa do Mundo assinala, não estão visíveis, um vizinho a que nos dirigimos pergunta-nos se vínhamos para o culto(!!). Não reparou certamente nos caracóis soltos e livres de uma de nós... ficámos a saber que só abre a certas horas!

 

Demos ainda conta da agência de viagens Malik que leva peregrinos a Meca (Haj Umra significa peregrinação em árabe) e um “talho halal” que só vende carne abatida de acordo com os preceitos do islão.

 

9B812780-FB99-468E-86E1-CEC54501135B.jpeg

 

 

287CF830-7D5B-4FE3-8888-9D18EAC1572D.jpeg

 

Deparamo-nos também com um  “placard” de anúncios temporários, em chinês e por ele só ficamos a saber que o que quer se anunciasse era 5*****!

1ED1ED02-1853-4588-AC32-F77784FBE332.jpeg

 

Por fim (só porque o post já vai longo) sentado num banco, um Sikh no seu turbante laranja, cofiando a barba já branca tomava conta das caixas da fruta, numa loja onde quase tudo se vendia...

 

78709AA5-91F9-41B9-BB58-36750DBAABDB.jpeg

 

 Rua a rua um infindar de cores, de cheiros e de gentes...é assim a Mouraria, pertencendo a todos um pouco!

 

publicado por naterradosplatanos às 20:35 | link do post | comentar | ver comentários (5)
Domingo, 05.02.17

Périplo pela Mouraria...

Tinha-mo-lo prometido a nós, só era preciso conjugar a minha ida a Lisboa com a estadia da Fátima.

Como só tínhamos pouco mais de cinco horas disponíveis, abandonámos a ideia da Lapa e decidimo-nos pela Mouraria. Já não me lembra de lá ter ido, provavelmente a única vez foi numa das visitas de 4ªfeira quando estava na Faculdade. Mas já lá vão tantos, tantos anos!

Certamente a Mouraria era bem diferente da de hoje. Na altura os bairros de então eram e pareciam pobres. Hoje não, ou pelo menos a Mouraria não. As ruas estão muito limpas e praticamente todo o tecido urbano está de cara lavada, recuperado... o airnbn e o booking.com terão algo a ver com isso.

A traça das casas não se modificou mas os vidros duplos e as portas renovadas são sinónimo disso pois as ruas estreitas são as mesmas que gerações bem diferente subiram e desceram...

image.jpeg

image.jpeg

image.jpeg

image.jpeg

image.jpeg

Também aqui a moderna arte urbana teve algo a dizer numa parede que estava vazia

image.jpeg

publicado por naterradosplatanos às 16:56 | link do post | comentar | ver comentários (4)

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

Junho 2018

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
15
17
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

últ. comentários

Posts mais comentados

arquivos

tags

favoritos

subscrever feeds

blogs SAPO